Ir para o conteúdo

PREFEITURA DE SAPEZAL / MT e os cookies: nosso site usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao continuar você concorda com a nossa Política de Cookies e Privacidade.
ACEITAR
PERSONALIZAR
Política de Cookies e Privacidade
Personalize as suas preferências de cookies.

Clique aqui e consulte nossas políticas.
Cookies necessários
Cookies de estatísticas
SALVAR
PREFEITURA DE SAPEZAL / MT
Acompanhe-nos:
Rede Social Instagram
Rede Social Facebook
Notícias
Enviar para um amigo!
Indique essa página para um amigo com seus dados
Obs: campos com asterisco () são obrigatórios.
Enviando indicação. Por favor, aguarde...
OUT
29
29 OUT 2015
SAÚDE
1387 visualizações
Realizado em Cuiabá a 8ª Conferência Estadual de Saúde
enviar para um amigo
receba notícias

Foi realizado de 25 a 28 deste mês, no hotel fazenda em Cuiabá, a 8ª Conferencia Estadual de Saúde de Mato Grosso.

Entre os temas apresentados Os desafios do financiamento do Sistema Público de Saúde (SUS) e a relação público e privado. O Secretario de Saúde Marcelo Valnier e servidores da saúde representaram Sapezal.

 De acordo com Lucineia Soares servidora da Secretaria de Estado da Saúde, é fundamental que todos os segmentos da saúde e da sociedade discutam como deve funcionar o Sistema Único de Saúde, principalmente o financiamento. “Já avançamos muito desde que o SUS foi criado, mas o financiamento ainda é um desafio, porque em momento algum se conseguiu tornar ele equânime, universal e integral como o sistema pede, dentro dos seus princípios”, afirma. 

Para ela, o desafio é discutir o pacto federativo, a distribuição dos recursos, ampliar a base de financiamento do SUS, seja taxando as grandes fortunas ou taxando rendas e propriedades, além de garantir maior recurso aos municípios e determinar que a União financie de fato o sistema. 

“Todas essas questões impactam o financiamento do SUS e precisam ser revistas. A União é a que mais arrecada e a que menos investe nas políticas públicas de saúde. Não podemos continuar permitindo que os municípios sejam os que mais investem no SUS”. Atualmente, alguns municípios investem em torno de 25% da sua receita líquida em ações e serviços públicos de saúde, 10% a mais do previsto na Emenda 29, do Ministério da Saúde. 

A servidora ainda pontuou a fase que o país está atravessando, onde tem se tornado crescente a participação do setor privado no financiamento e na prestação de serviços no SUS. “O que se percebe em todo país é o aumento da privatização da saúde, o que gera impacto direto no financiamento. Existe aí uma contradição entre a proposta de universalidade do SUS, é preciso avaliar a situação dessas relações entre público e privado”. 

A segunda palestra do terceiro eixo abordou a valorização do trabalho e da educação na saúde e foi proferida pelo professor Luiz Henrique, do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal de Mato Grosso. A mesa de debate foi coordenada pelo conselheiro Orlando Pereira. Ainda pela manhã, no quarto eixo, os temas debatidos foram: "Modelos de Atenção", "Direito à Saúde” e “Acesso à Atenção de Qualidade”. 

Cerca de 1.200 participantes, entre conselheiros e convidados. Gestores, trabalhadores e usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) fazem parte do público, que buscam nos quatro dias de Conferência discutir propostas de melhorias no atendimento do SUS em Mato Grosso. 

Seta
Versão do Sistema: 3.4.1 - 29/04/2024
Copyright Instar - 2006-2024. Todos os direitos reservados - Instar Tecnologia Instar Tecnologia